Capa » Cemaden » Situação Atual e Projeção Hidrológica para o Sistema Cantareira 12/08/2021 Ano 7 Nº 59

Situação Atual e Projeção Hidrológica para o Sistema Cantareira 12/08/2021 Ano 7 Nº 59

Esta edição do boletim traz a situação para o mês de julho de 2021 e projeções hidrológicas com horizonte até dezembro de 2021. A situação de armazenamento dos reservatórios do Sistema Cantareira, no final de julho de 2021 (42%), é pior quando comparada ao mesmo período de 2020 (53%). Com a situação atual de armazenamento, os reservatórios do Sistema Cantareira encontram-se na faixa de operação “atenção” (armazenamento entre 40% e 60%)[1], cuja máxima vazão de extração para o atendimento da demanda hídrica da região metropolitana de São Paulo é 31 m³/s.  Em julho de 2021, a média desta vazão de extração foi 19 m³/s. Ainda em julho, choveu o equivalente a 41% da média histórica do mês, enquanto a vazão afluente aos reservatórios foi 34% da média histórica, valor inferior quando comparado ao mesmo período do ano de 2020 (40%). Com relação às projeções, considerando um cenário hipotético de chuvas na média histórica de agosto a dezembro, o modelo hidrológico projeta que a média de vazão afluente poderá ser em torno de 70% da média histórica do período e o armazenamento no sistema, no final de dezembro de 2021, poderá chegar a 36%.

[1] De acordo com a Resolução conjunta ANA/DAEE Nº 925.

Situação atual do Sistema Cantareira

A precipitação acumulada durante os meses secos, de abril a julho de 2021, baseado nas redes pluviométricas cobrindo as sub-bacias de captação do Sistema Cantareira (7 pluviômetros do DAEE/ SAISP[2] e 16 pluviômetros em operação do CEMADEN), foi 96 mm (89² mm), o que representa 25% (24%²) da média histórica (1983-2020) da estação seca (378 mm, abril – setembro). No mês de julho de 2021, a precipitação acumulada foi em torno de 18 mm (17² mm), o que representa 41% (38%²) da média histórica para este mês (45 mm).

[2] DAEE / SAISP: Departamento de Águas e Energia do Estado de São Paulo/ Sistema de Alerta a Inundações de São Paulo.

Figura 1. Precipitação mensal na bacia do Sistema Cantareira (em mm) de acordo com os dados do CEMADEN. Ano hidrológico: outubro – setembro.

A média de vazão afluente ao Sistema Cantareira (Sistema Equivalente + Paiva Castro) de abril a julho de 2021, de acordo com dados da SABESP[3] e da ANA[4] foi 12 m3/s, 40% da média histórica para a estação seca (30 m3/s). Para o mesmo período, a média de vazão de extração total dos reservatórios foi 30 m³/s e a média de vazão de interligação com o Sistema Paraíba do Sul foi 7,6 m³/s.

Para o mês de julho de 2021, a média de vazão afluente foi 9 m3/s, o que representa 34% da vazão média mensal histórica (26 m3/s), valor inferior ao registrado no mesmo período de 2020 (40%). Para o mesmo período, a média de extração de água do Sistema Cantareira para o elevatório Santa Inês (Qesi), que abastece a região metropolitana de São Paulo, foi 19 m3/s, e a vazão de jusante (Qjus), que contribui com a bacia dos rios Piracicaba, Capivari, Jundiaí (bacia PCJ), foi 11 m³/s. Juntas, estas duas vazões representam a extração total do sistema Cantareira, que foi 30 m³/s. Ainda no mês de julho de 2021 a média do aporte, proveniente da interligação com o Sistema Paraíba do Sul para o reservatório Atibainha, foi 7,6 m³/s.

[3] SABESP: Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo/Situação dos Mananciais.

[4] ANA: Agência Nacional de Águas.

Previsão de chuva

A bacia de captação do Sistema Cantareira já se encontra em pleno período seco. Nesse período as chuvas ocorrem apenas em decorrência de passagens de frentes frias. Em particular, nos próximos 3-10 dias não há previsão de chuvas expressivas (Figura 2) o que, em função da época do ano, não representa uma anomalia. As previsões (tendência) de chuva para a segunda semana apresentadas na Figura 3, também indicam um cenário de precipitações dentro da média do período.

Figura 2. Previsão de precipitação acumulada em milímetros (mm) nos próximos 3 (esquerda) e 10 (direita) dias para a bacia de captação do Sistema Cantareira, segundo a previsão do modelo numérico GFS/NOAA. A área da bacia de captação do Sistema Cantareira é indicada no centro da figura com linha preta espessa.

Figura 3. Previsão de precipitação em milímetros (mm) acumulados (esquerda) e sua respectiva anomalia em relação aos valores climatológicos (direita) para a segunda semana de acordo com o modelo numérico americano GEFS/NCEP/NOAA.

Projeções de vazão afluente

A Figura 4 apresenta as médias mensais de vazão afluente observada e, na sequência, projeções de vazão usando a média dos membros de previsão (29 de julho a 07 de agosto de 2021) e, a partir do dia 08 de agosto foram considerados cinco cenários de precipitação: média histórica (1983-2020), 25% acima da média, 25% e 50% abaixo da média histórica e cenário crítico (agosto a dezembro de 2013). As simulações indicam que, considerando um cenário hipotético de chuva na média histórica, a vazão afluente no período de agosto a dezembro de 2021, poderá alcançar cerca de 20 m³/s, o que representa 70% da média histórica desse período (29 m³/s). Para cenários de precipitações 25% e 50% abaixo da média histórica, as simulações apontam projeções de vazões da ordem de 43% e 24% da média histórica desse mesmo período, respectivamente.

Figura 5. Histórico e simulação de vazão média mensal (em m³/s) afluente ao Sistema Cantareira (linhas tracejadas) considerando a previsão e cinco cenários de precipitação: 50% (verde) e 25% abaixo da média climatológica (azul claro); na média histórica (cinza) e 25% acima da média histórica (azul escuro) e cenário crítico (laranja). As linhas espessas representam as vazões médias mensais observadas, de acordo com a SABESP: média histórica (preto); mínimos mensais (marrom); série de 2020 (magenta); e de janeiro a julho de 2021 (roxo).

Projeções de armazenamento

A Figura 5 apresenta as projeções da evolução do volume útil armazenado nos reservatórios do Sistema Cantareira utilizando: previsão e projeções de vazão afluente; vazão de extração para a estação elevatória Santa Inês (Q esi) de acordo com as regras condicionais estabelecidas pela resolução conjunta ANA/DAEE Nº 925; vazão defluente (Q jusante) para as bacias do PCJ (rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí) igual à média praticada nos anos 2014 a 2016, para as estações seca e chuvosa (2,09 m³/s e 1,55 m³/s, respectivamente); e aporte de interligação com a bacia do Rio Paraíba do Sul, cuja vazão média é 5,13 m³/s (de acordo com a Resolução ANA Nº 1931) para o período de simulação. As projeções indicam que o reservatório deverá operar na faixa de operação “alerta” (armazenamento entre 30% e 40%) nos próximos meses. Entretanto, considerando o cenário de precipitação 25% acima da média, o reservatório retornará no final do horizonte de projeções (dezembro de 2021) para a faixa de operação “atenção” (armazenamento entre 40% e 60%). Em dezembro de 2020, o reservatório operou com 36% da capacidade. Importante salientar que, operando abaixo de 30% de armazenamento, o reservatório entra na faixa de “restrição”.

Figura 5. Projeções de armazenamento do Sistema Cantareira (linhas tracejadas) para cinco cenários de precipitação: 50% (verde) e 25% (azul claro) abaixo da média histórica, na média histórica (cinza) e 25% acima da média histórica (azul escuro) e cenário crítico (laranja). Nesta simulação considera-se a vazão de aporte da interligação com a bacia do Rio Paraíba do Sul com média igual a 5,13 m³/s. A linha magenta mostra a evolução do armazenamento observado do Sistema Cantareira em 2019 e a linha roxa no período de janeiro a julho de 2021. As faixas coloridas referem-se às faixas de operação do reservatório de acordo com a resolução conjunta da ANA/DAEE Nº 925.
FAÇA O DOWNLOAD DO RELATÓRIO NA INTEGRA

Confira também

Situação Atual e Projeção Hidrológica para o reservatório de Serra da Mesa – Bacia do rio Tocantins – 18/10/2021 Ano 2 Nº 18

Esta do boletim traz um resumo da situação referente à atual estação seca (2021), assim …